C

Cabaz – Um conjunto de acções, normalmente de um determinado sector, que é utilizado como activo subjacente para uma emissão de Warrants

Call – Termo de origem inglesa geralmente utilizado para designar uma opção de compra, embora também possa designar uma compra qualquer de um produto ou serviço

Call Warrant – Produto financeiro que atribui ao seu titular, o direito de adquirir um determinado número de acções, a um preço definido e numa determinada data. Na prática, representa uma call option em que o activo subjacente são acções e destina-se aos investidores que têm uma expectativa positiva em relação à evolução do activo. Os warrants podem estar associados a obrigações ou podem ser autónomos e são produtos cotados no 1º mercado e transaccionáveis (ainda apresentam liquidez reduzida)/p>

Câmara de Compensação (Clearing House) – Num mercado organizado de futuros e opções, assegura o cumprimento de todos os contratos, eliminando assim o risco de crédito. Para tal, interpõe-se entre o comprador e o vendedor, comprando a quem vende e vendendo a quem compra. Os direitos e deveres do comprador e vendedor passam para a esfera da Câmara, que assim garante o cumprimento do contrato, independentemente de a contraparte a cumprir ou não

Capital – Recurso financeiro escasso necessário ao investimento. O capital pode ser próprio, quando pertence à entidade investidora, ou alheio, quando esta se financia junto de um terceiro. No último caso existe, quase sempre, um custo implícito: os juros a pagar pelo financiamento

Capital Asset Pricing Model (CAPM) – Modelo que estuda a relação entre risco esperado e rentabilidade esperada. O modelo baseia-se na teoria que os investidores exigem maior rentabilidade para assumirem maiores riscos. Afirma que a rentabilidade de um activo resulta da soma de uma taxa de juro sem risco com um prémio de risco

Capital circulante – São os bens de consumo da empresa no decurso da sua actividade produtiva, tais como, as matérias primas, os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela sociedade, a energia eléctrica, etc

Capital de risco – Investimento necessário para início de uma actividade com elevado potencial de crescimento. Normalmente, este tipo de capital é assegurado por uma entidade externa especializada e acontece mais frequentemente na fase de arranque da empresa. Existem várias formas de capital de risco, como as sociedades de Venture Capital ou os Business Angels

Capital Permanente – Constituído pela soma do passivo de médio e longo prazo com os capitais próprios de uma empresa, incluindo as acções preferenciais

Capital social – São os fundos fornecidos pelos sócios ou accionistas da sociedade para o desempenho da sua actividade. Estes recursos financeiros são, normalmente, em dinheiro embora também o possam ser em espécie (entrada de bens) se forem cumpridas as condições legalmente estabelecidas para esse efeito. O capital social tem carácter de permanência na empresa

Capitalização Bolsista – Valor de mercado dos Capitais Próprios de uma empresas cotada em Bolsa (caso todas as acções representativas do capital social estejam admitidas à cotação). É determinado pelo produto da cotação corrente das acções com o número de acções admitidas à cotação

Carteira eficiente – Carteira de títulos que oferece o menor risco (desvio-padrão) para uma dada rendibilidade esperada e a maior rendibilidade esperada para um dado nível de risco

Cash – Dinheiro em numerário (notas ou moedas) ou activos facilmente transformáveis em numerário

Cash and carry – Compra de um título e venda simultânea de um contrato futuro, sendo o respectivo saldo financiado por um empréstimo ou por fundos obtidos através de acordos de recompra

Cash Cow – Negócio ou empresa que gera uma continuidade de cash-flows ao longo do tempo. Este tipo de negócios apresenta normalmente marcas bem estabelecidas no mercado, cuja familiaridade estimula a compra repetida por parte dos consumidores

Cash flow – É um indicador financeiro que mede os fundos gerados por uma empresa ao longo de um determinado exercício. Distingue-se dos lucros pelo facto de incorporar, para além do resultado do exercício, as provisões e amortizações

Certificado de Depósito (CD) – Certificado emitido por um Banco, representativo de um depósito, existindo um mercado secundário próprio para a transacção deste tipo de títulos

Cash Settlement – Diferença entre o preço de exercício e o preço de mercado do activo subjacente, sendo que esta diferença é paga em dinheiro quando a opção/warrant é exercida

Chief Executive Officer (CEO) – O principal responsável pelas actividades de uma determinada empresa. Habitualmente, CEO é o título também atribuido ao Presidente do Conselho de Administração de uma empresa

Chief Financial Officer (CFO) – O principal responsável pelas actividades ligadas à área financeira de uma determinada empresa. Habitualmente, CFO é o título também atribuido ao Director Financeiro de uma empresa

Ciclo de vida do produto – Conceito que descreve a evolução da vida de um produto de acordo com quatro fases distintas: introdução, crescimento, maturidade e declínio

Coeficiente Beta – Medida de volatilidade de uma acção relativamente ao mercado. Revela o grau de influência das variações globais do mercado na evolução da cotação dessa acção ou carteira de acções, medindo assim o seu risco sistemático. Se, por exemplo, o índice do mercado apresentar um crescimento de 10%, a cotação de uma acção cujo Beta seja de 0.5, aumentará 5%. Acção cujo Beta seja superior a 1 diz-se volátil e com Beta inferior a 1, pouco volátil ou defensiva

Coeficiente de correlação – Medida estatística para descrever o grau (e o sentido) da relação entre o movimento de duas variáveis, que oscila entre -1 e +1. Quando o valor é -1, a correlação diz-se negativa perfeita, sendo positiva perfeita quando o valor é +1. Quanto maior for o valor absoluto deste coeficiente, maior é o grau de associação entre duas variáveis. Se o valor for positivo, as variáveis movimentam-se no mesmo sentido. Se for negativo, movimentam-se em sentidos opostos

Collar – Limite superior e inferior da taxa de juro de uma emissão de títulos com taxa variável

Comercialização – Acto de comercializar ou de fazer comércio; transaccionar um bem; trocar um activo por dinheiro

Comércio – Negócio que consiste na compra e venda de produtos ou mercadorias; troca de bens por dinheiro

Comissão Bancária – Remuneração cobrada pelas instituições de crédito, quando estas actuam como intermediários financeiros

Comissão de gestão – Comissão cobrada pela sociedade gestora de um fundo de investimento como contrapartida dos seus serviços de gestão

Comissão de Resgate – Valores cobrados no momento do resgate/venda de títulos ou unidades de participação de fundos de investimento e incide sobre o valor total do investimento. Normalmente, quanto maior o tempo de permanência, menor é a comissão de resgate

Comissão de Subscrição – Valores cobrados no momento da aquisição de títulos ou unidades de participação de fundos de investimento. A sua existência influencia o prazo das aplicações, dado que obrigam a uma maior permanência do investimento, por forma a que o seu efeito se dilua com o passar do tempo

Commodity – Mercadoria ou bem económico. Expressão atribuída a bens transaccionáveis, como produtos agro-pecuários e recursos naturais

Consolidação – Criação de uma nova empresa em resultado da fusão de duas anteriormente existentes. A consolidação é um fenómeno de concentração empresarial

Consolidação de contas – Processo contabilístico que permite a agregação das contas de todas as empresas do mesmo grupo dentro de uma mesma realidade comum, ou seja, reflectidas num mesmo Balanço e Demonstração de Resultados, normalmente referidos como documentos consolidados

Consórcio – Grupo de empresas ligadas entre si através de diversas participações financeiras

Conta Margem – Crédito que permite a um investidor a compra ou a venda de valores mobiliários, efectuada com recursos financeiros emprestados por corretores que se encontrem legal e estatutariamente autorizados a conceder esses financiamentos

Contas a pagar – Correspondem aos débitos comerciais de uma empresa, ou seja, os valores não titulados em dívida a fornecedores

Contas a receber – Correspondem aos créditos comerciais de uma empresa, ou seja, os valores não titulados a receber de clientes

Contrato de futuros – Contrato padronizado, reversível, de compra e venda de uma dada quantidade e qualidade de um bem, ou de um serviço, num local e numa data futura específica, a um preço fixado no presente

Contrato de opção – Contrato normalizado pelo qual o comprador adquire o direito de comprar (opção de compra ou call) ou de vender (opção de venda ou put) uma quantidade específica de um determinado bem ou instrumento financeiro a um preço fixado (preço de exercício), numa data (data de expiração) determinada (opções de estilo europeu), ou durante o período que até ela decorra (opções de estilo americano), pagando, por isso, um dado preço (prémio). O vendedor assume a obrigação de vender ou comprar o referido activo, nas condições definidas, no caso de o comprador decidir exercer o seu direito

Controller – Responsável pela gestão orçamental, contabilidade e auditoria interna de uma empresa

Convergência – Tendência de aproximação entre o preço spot (à vista) de um activo e o preço do respectivo contrato de futuros à medida que a maturidade do futuro se aproxima

Conversão – Troca de um título por outro(s) diferente(s) de acordo com regras definidas quando da emissão do primeiro. por exemplo, os “warrant” são títulos convertíveis em acções

Conversão de passivos – Substituição de um passivo existente pela emissão de uma nova dívida

Core business – Negócio central de uma determinada empresa, que constitui a sua actividade principal e no qual deve concentrar todos os seus esforços. Todas as outras tarefas de âmbito secundário devem ser delegadas a terceiros, nomeadamente através do recurso ao “outsourcing”

Corretagem (de bolsa) – É a comissão cobrada pelo intermediário financeiro (corretor), aos seus clientes, pelas transacções (compras e vendas) que estes efectuam no mercado da bolsa, por seu intermédio. Normalmente, essa comissão é função do montante da transacção, sendo uma percentagem do volume do negócio realizado

Correcção – Reacção do mercado a um determinado preço/cotação, resultando esta situação normalmente numa correcção ou ajuste

Corretor (Broker) – Indivíduo ou entidade que compra ou vende títulos por conta de outrem, cobrando uma comissão por esse serviço. Possui clientes particulares e institucionais

Cotação – Preço de um valor mobiliário formado no mercado bolsista pela interacção da oferta e da procura. A cotação de um título corresponde ao valor em que procura e a oferta se encontram, em cada momento, dando origem a transacções

Cotação ajustada – Preço de um valor mobiliário formado no mercado bolsista, expurgado das variações resultantes de aumentos de capital, distribuição de dividendos, alterações do valor nominal e agregações. Só as séries de cotações ajustadas permitem analisar a evolução das cotações das acções de uma empresa ao longo do tempo

Cotação de fecho (close) – Para cada valor mobiliário, é o preço a que se efectuou a última transacção numa determinada sessão de Bolsa

Covered Warrant – Warrant sobre acções, emitido por um Banco, com base nos títulos em circulação de uma empresa. Os Warrants clássicos sobre acções são emitidos pela própria empresa e atribuem ao seu titular o direito de subscrever acções que serão emitidas no futuro. Normalmente, este tipo de warrants surgem no mercado indexados a uma obrigação

Credores preferenciais – O Estado, em primeiro lugar, seguido dos detentores de acções e obrigações preferenciais, em segundo lugar, apresentam prioridade sobre os restantes detentores de acções ordinárias, no caso de uma liquidação de empresa e havendo insuficiência de activos para pagamento das dívidas existentes (passivo)

Cupão – Montante periódico de juros pago pelo emitente de uma obrigação durante a vida útil de um empréstimo obrigacionista; Título representativo do direito que um determinado investidor tem a receber juros de obrigações. Existe um cupão para cada vencimento de juros que será entregue na data de vencimento, em troca do respectivo juro

Curto prazo – O conceito de curto prazo é atribuído, na generalidade, a um prazo até 1 ano

Curto (short) – Termo que se utiliza para quem está vendido, isto é, quando o vendedor vende um título a descoberto, ou seja, que não possuía na sua carteira, ficando com uma posição curta. Este tipo de transacções tem regulamento próprio nas bolsas de valores, permitindo a especulação quando as expectativas são de descida das cotações dos títulos. Posteriormente, o vendedor terá obrigatoriamente de comprar o título vendido procurando fazê-lo a um preço mais baixo para o devolver a quem lhe o emprestou e que lhe permitiu efectuar a venda inicial (a “descoberto”). A estas operações de bolsa, que possibilitam ganhar dinheiro com os mercados em queda, também se dá o nome de “short.selling”

Curva de rendimento (yield curve) – Gráfico que representa “curva” da rendibilidade (dada pelas taxas de juro) de um determinado investimento, ao longo do tempo, desde o início da aplicação até à sua maturidade

Curva de Rendimento Invertida – Ocorre quando as taxas de juro de curto prazo são maiores do que as de longo prazo. Uma curva de rendimento invertida é geralmente um sinal de aumento de inflação acompanhada por níveis baixos de confiança na economia

Custo – Os custos são as despesas que a empresa tem de suportar para o exercício da sua actividade tais como os custos com o pessoal, electricidade, rendas, seguros, impostos, as compras, etc. Estes, podem ser fixos ou variáveis

Custo de Capital – Taxa de rendibilidade que se obteria num investimento alternativo de risco equivalente. Pode ser calculado através da média ponderada dos custos da dívida (passivo) e dos capitais próprios

Custo de oportunidade – Taxa de rendimento da melhor alternativa de investimento disponível, ou o mais alto rendimento que não será ganho se os fundos forem investidos num projecto ou título específico

Custo Fixo – Custo de uma empresa que não varia proporcionalmente com o volume de produção. Por exemplo, são custos fixos, as rendas, uma avença, os ordenados do pessoal efectivo, etc

Custo variável – Custo de uma empresa que varia em função do seu volume de actividade. São, por exemplo, os custos das matérias primas adquiridas, de energia eléctrica, etc