S

SEC – Securities and Exchange Comission. O equivalente americano da CMVM

Securities – Termo inglês para designar títulos ou valores mobiliários

Segurança / Risco – Diz-se que um título é seguro, ou que tem baixo risco, quando a sua cotação não sofre, habitualmente, grandes flutuações ao longo do tempo. Para um investidor, ter um título de baixo risco na sua carteira significa ter uma certa garantia de estabilidade nas suas cotações

Serviço da dívida – Encargos financeiros a pagar e capital a reembolsar por uma empresa num determinado período

Short Selling – Termo designado para a venda de valores a descoberto no mercado. Ver também “curto”

SICAM – Sistema de Investimento do Crédito Agrícola Mútuo – Entidade que agrega a quase totalidade das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo (CCAM) nacionais. Trata-se de um organismo de natureza financeira que engloba as CCAM, bem como, as suas associações regionais e nacionais. Tem por funções a centralização dos excedentes de liquidez e a sua coordenação e gestão por forma a financiar a actividade creditícia das caixas filiadas

Situação Líquida – Soma dos valores contabilísticos do capital social, das reservas e dos resultados retidos

Sobrecomprado (overbought) – Conceito associado normalmente a indicadores técnicos de momento (Momentum, RSI, Estocástico, etc.). Diz-se que uma acção está sobrecomprada, quando após um determinado movimento forte de aceleração rompe determinado “tecto”. Este “tecto” é definido individualmente para cada indicador técnico e pode variar de indicador para indicador. Significa, na prática, que se registaram fortes movimentos de procura dessa acção, com subida rápida associada a esse movimento. Quando um título se encontra nesta situação, deverá, em teoria, ser vendido, pois poderá verificar-se uma reversão de descida no curto prazo, no seguimento do forte movimento anterior. Normalmente, um sinal de venda efectivo só é gerado quando o indicador cruza a linha de “tecto” no sentido descendente. Em Bull Market, poderá acontecer que determinada acção entre em zona “sobrecomprada” e se mantenha nessa zona por algum tempo

Sobrevendido (oversold) – Conceito associado normalmente a indicadores técnicos de momento (Momentum, RSI, Estocástico, etc.). Diz-se que uma acção está sobrevendida, quando após um determinado movimento forte de desaceleração rompe determinado “suporte”. Este “suporte” é definido individualmente para cada indicador técnico e pode variar de indicador para indicador. Significa, na prática, que se registaram fortes movimentos de oferta dessa acção, com rápida descida associada a esse movimento. Quando um título se encontra nesta situação, deverá, em teoria, ser comprado, pois poderá verificar-se uma reversão de subida no curto prazo, no seguimento do forte movimento anterior. Normalmente, um sinal de compra efectivo só é gerado quando o indicador cruza a linha de “suporte” no sentido ascendente. Em Bear Market, poderá acontecer que determinada acção entre em zona “sobrevendida” e se mantenha nessa zona por algum tempo

Sociedade – Em termos económicos, é um contrato em que se reúnem uma ou mais entidades para o exercício uma determinada actividade com fins lucrativos

Sociedade unipessoal – Sociedade constituída por um único sócio

Sociedades Corretoras – São sociedades financeiras que compram e vendem títulos na Bolsa em nome dos seus clientes

Sociedades Financeiras de Corretagem – São sociedades financeiras que actuam na Bolsa, comprando e vendendo títulos para os seus clientes, tendo também a possibilidade de gerir carteiras próprias de investimentos financeiros

Solvabilidade – Mede a ralação entre os capitais próprios e os capitais alheios de uma sociedade. A gestão deste indicador financeiro é importante por forma a não colocar em causa a continuidade da empresa no médio ou no longo prazo. A solvabilidade pode ser medida pelo seguinte rácio: Solvabilidade = Capital próprio / Capital alheio A solvabilidade de uma instituição será tanto maior quanto maior for o valor deste rácio. Um valor muito baixo pode indiciar uma fraca viabilidade da empresa no futuro, pois significa uma elevada fragilidade económico-financeira

Split – Incremento do número de acções de uma determinada sociedade, mediante o desdobramento das acções existentes em outras de menor valor nominal

Spread – Spread ou margem é um termo de origem inglesa que representa a diferença ou o diferencial entre os preços de oferta de compra e de venda de um determinado activo ou derivado (ex: futuro, opção ou warrant). Quanto menor for o spread, maior será a rapidez com que o comprador apresenta rentabilidade positiva

Spread Bid-Ask – Diferença entre os preços fornecidos pela Bolsa para a compra (bid) e para a venda (ask) de um determinado título

Spread de Futuros – Diferença de cotação entre dois vencimentos de um mesmo contrato

Spread horizontal – Compra e venda simultâneas de duas opções que apenas diferem na sua data de exercício

Spread vertical – Compra e venda simultâneas de duas opções que apenas diferem no seu preço de exercício

Stock – Termo de origem inglesa para designar, essencialmente, os bens ou as existências armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que as destinam à transformação, à venda ou, ao consumo

Stop loss – Nível de cotação a que o investidor resolve vender uma determinada acção, limitando as suas perdas, perante um cenário em que essa acção começa a descer. Representa, na prática, o máximo que o investidor está disposto a perder, perante um negócio que começa a correr mal

Straddle – Combinação de uma opção de compra (call) e de uma opção de venda (put) com o mesmo preço de exercício

Subprime – Subprime refere-se a risco mais elevado. Trata-se de crédito, e.g. hipotecário, de alto risco concedido a quem apresenta uma questionável ou reduzida capacidade creditícia e financeira. Aos empréstimos obtidos neste regime são aplicadas taxas de juro mais elevadas por forma a compensar uma maior taxa de risco destas operações. Em períodos de crise económica, estes créditos são os primeiros a ser afectados pelo incumprimento do serviço das dívidas dada a fragilidade do perfil económico-financeiro dos devedores.

Subscrição Directa – Oferta de valores mobiliários feita directamente aos investidores pela entidade emitente, com ou sem o apoio de intermediários financeiros

Subscrição Indirecta – Quando toda a emissão de valores mobiliários é subscrita por um ou mais intermediários financeiros, que se comprometem a colocá-los posteriormente junto dos investidores a que se destinam

Suporte – Nível de preços a partir do qual um título deixou de cair, evoluindo a partir desse ponto de forma lateral ou voltando a subir. Será o preço a partir do qual começa a aparecer procura suficiente para sustentar a cotação da acção

Suprimento – Financiamento assegurado pelo sócio de uma empresa, a título de empréstimo, e com condições de reembolso e pagamento de juros perfeitamente definidas

Swap – Operação financeira que consiste na troca de um produto financeiro por outro. Como exemplo, temos os Swap de taxa de juro, através dos quais uma empresa acorda com uma instituição bancária, por exemplo, a troca de um empréstimo de taxa de juro fixa por um de taxa variável