T

Takeover hostil – Compra de uma empresa com a oposição dos gestores da mesma, os quais, normalmente, não só recomendam aos accionistas que não vendam as suas acções, como sugerem e solicitam táctivas de obstrução a tal tentativa

Taxa de bolsa – Taxa cobrada pela bolsa de valores por cada operação efectuada (compra ou venda). É um valor percentual que é função do montante da transacção e é pago pelo investidor

Taxa de câmbio – Valor de troca de uma moeda por outra

Taxa de câmbio a prazo (forward) – Taxa de câmbio fixada no momento presente para servir de base a uma troca futura de um dado quantitativo de uma moeda por outra

Taxa de câmbio à vista (spot) – Taxa de câmbio para a entrega imediata de divisas

Taxa de corretagem – Taxa cobrada pelas instituições intermediárias financeiras (casas de corretagem) aos clientes pelas operações de bolsa que efectuaram, por seu intermédio. É uma percentagem do valor da transacção

Taxa de desconto – Taxa de juro cobrada pelo Banco Central aos bancos comerciais

Taxa de juro a prazo – Taxa de juro fixada no presente para um empréstimo a concretizar numa determinada data futura

Taxa de juro à vista – Taxa de juro fixada no presente para um empréstimo contraído na mesma data

Taxa de juro activa – Taxa de juro a cobrar pelos bancos pelo empréstimo de dinheiro. Designa-se por activa porque se inscreve nas contas do Activo dos bancos

Taxa de juro nominal – Taxa de juro expressa em termos monetários

Taxa de juro passiva – Taxa de juro que remunera os depósitos bancários. Designa-se por passiva porque se inscreve nas contas do Passivo dos bancos, visto representar uma responsabilidade

Taxa de juro preferencial (prime rate) – Taxa praticada pelos bancos na concessão de empréstimos aos seus melhores clientes

Taxa de juro real – Taxa de juro expressa em termos reais, isto é, será a taxa de juro nominal corrigida da inflação

Acima do par – Relativamente ao preço de um título (acção ou obrigação), quando aquele se situa acima do valor nominal do mesmo. Também se diz que uma obrigação foi emitida acima do par quando o seu valor de emissão é superior ao seu valor nominal. Neste caso, o subscritor paga um prémio ao emissor

Taxa interna de rentabilidade (TIR) – Taxa de actualização que torna o valor actual líquido de um investimento igual a zero

Tecto (Cap) – Limite superior da taxa de juro de um título emitido a taxa variável

Tendência – Técnica gráfica de criação de linhas com base em diversos pontos equivalentes a cotações. Trata-se, na prática, de unir pelo menos dois pontos, num gráfico de cotações, criando um segmento de recta. Quanto mais pontos constituirem esse segmento de recta, maior significado terá essa linha e consequentemente a tendência que representa

Teoria do mercado eficiente – Os preços dos títulos reflectem a informação disponível. Consequentemente, os investidores não devem esperar que seja normal obter rendibilidades acima da rendibilidade correspondente ao nível de risco assumido e as empresas não devem esperar receber mais do que o justo valor pelos títulos que emitem. A teoria sustenta três níveis de eficiência: Fraca, quando os preços reflectem toda a informação contida nos preços passados; Semi-forte, quando os preços reflectem toda a informação publicamente disponível; Forte, quando os preços reflectem toda a informação relevante, incluindo a informação privilegiada

Theta – Indicador que representa a perda de valor temporal de uma opção ou warrant

Tick – Mínima flutuação de preço admitida na transacção de um contrato de futuros ou de opções

Titularização (securitização) – Emissão de títulos negociáveis representativos de créditos detidos por uma determinada instituição financeira, e cuja propriedade é assim transferida para quem adquire os títulos emitidos

Topo ascendente (ascending top) – Padrão gráfico de uma acção em que cada pico na sua cotação é sistematicamente superior ao pico anterior. Este movimento de subida é considerado bullish, significando que a tendência de subida se deverá manter por mais tempo

Topo descendente (descending top) – Padrão gráfico de uma acção em que cada pico na sua cotação é sistematicamente inferior ao pico anterior. Este movimento de descida é considerado bearish, significando que a tendência de descida se deverá manter por mais algum tempo